Achatamento no benefício para quase 1 milhão de aposentados

05/01/2012

Em 2012, 988 mil segurados que recebem acima do salário mínimo vão entrar na menor faixa de pagamento. O efeito é similar a uma bola de neve. Todos os anos, por conta do reajuste diferenciado para as aposentadorias, quem recebe acima do piso do INSS tem um índice menor do que aqueles que recebem um salário mínimo. O segurado que se aposenta com um valor entre um e dois pisos vê o seu benefício se aproximando cada vez mais perto do piso. Em cinco anos, boa parte já estará recebendo o menor valor pago pela Previdência Social. Hoje os segurados que recebem o piso representam 70% do total de beneficiários. “Em pouco tempo, em 2016, serão 80%. E é isso que o governo quer. Essa regra de reajuste está empurrando todo mundo para receber o piso. Não vai escapar ninguém”, disse Warley Martins, presidente da Cobap. No mês que vem, quando for aplicado o reajuste, o rolo compressor do achatamento das aposentadorias deve atingir em cheio os segurados que se aposentaram entre abril de 2005 e março de 2006. São exatamente 988.282 aposentados. No período, o salário mínimo subiu de R$ 300,00 para R$ 350,00. A partir de janeiro, o salário mínimo nacional vai ultrapassar a marca de R$ 622. Por conta do arredondamento, pode chegar a R$ 625. Um aumento de 108,3% na comparação com o valor em vigor em 2005. “Quem se aposentou naquele ano com um salário mínimo e meio (R$ 450,50, na época) recebe cerca de R$ 560. Com o reajuste do INPC, de 6,3%, ele teria um benefício de R$ 595. Como não pode ficar abaixo do piso, fica os R$ 622. Quer dizer, já é mais um que cai no piso”, disse Martins. No exemplo exposto pelo presidente da Cobap, o segurado que recebia um salário mínimo e meio em 2005 passa a receber só o piso em 2012. Se fosse mantida a equivalência com o número de salários mínimos, o segurado deveria receber R$933,00. “É uma diferença muito grande. Concordamos que o salário mínimo deve ter uma política de valorização, pois é um instrumento importante de inclusão social, mas também é justo que os aposentados recebam um benefício digno”, disse Martins. De acordo com o INSS, a aplicação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) no reajuste está prevista em lei. Assim, eles cruzam os braços e que dane-se o aposentado!

Rede Bom Dia – Bauru – SP