Arrecadação com novo mínimo é maior que gasto da Previdência

05/01/2012

Estudo mostra que aumento de R$77,00 ( 14,1%) no salário mínimo terá um impacto de R$ 19,8 bilhões nas contas do órgão, mas a arrecadação com impostos será compensatória, de acordo com a avaliação feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e divulgado hoje. O custo para a Previdência, contudo, é menor do que o aumento da arrecadação de impostos que o novo salário mínimo trará. Segundo o Dieese, devido ao crescimento do consumo consequente da alta do piso salarial, a arrecadação de impostos subirá em R$ 22,9 bilhões em 2012. Os beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) representam, de acordo com o levantamento, a maior parte dos brasileiros diretamente beneficiados com o aumento do piso salarial. Das 48 milhões de pessoas que têm sua renda vinculada ao valor do salário mínimo, 19,7 milhões (41%) são aposentados ou pensionistas. O grande número de beneficiários faz com que cada R$1 de aumento no salário mínimo signifique mais R$ 257 milhões no gasto anual da Previdência Social. Como no dia 1º de janeiro o piso nacional passou de R$ 545 para R$ 622, o custo anual deste aumento para o INSS será R$ 19,8 bilhões.Ainda de acordo com o Dieese, o aumento de 14,1% no salário mínimo fará com que o poder de compra do piso alcance o nível mais alto em mais de 30 anos. Levando-se em conta o valor da cesta básica apurado em novembro pela entidade (R$ 276,31), o novo piso poderá comprar 2,25 cestas. A maior quantidade registrada desde 1979. Atualmente, um salário mínimo equivale a 2,03 cestas básicas.

Dieese/Agora SP